terça-feira, 17 de julho de 2007

1ª Fase - 16ª Rodada - Bahia 1x2 Grêmio


"GRÊMIO VENCE EM CIMA DA HORA
Brasileirão 96 - Momentos antes de encerrar-se a partida, Arce fez o gol da vitória de 2 a 1 sobre o Bahia 


A partida se desenvolveu no lento ritmo de um berimbau. Era toque para um lado, toque para outro, o calor de 32 graus e o sol dos trópicos impediam lances de velocidade. Era tudo que o Grêmio queria para vencer o Bahia por 2 a 1 em Salvador. Como se estivesse cansado em campo, a equipe gaúcha esperou o momento certo de definir a partida com o um bonito gol de Arce, já aos 48 minutos finais. Foi uma vitória que dá fôlego ao Grêmio, agora na sexta colocação do Brasileirão, com 28 pontos ganhos. 


O ritmo do Grêmio no começo do jogo era em busca do gol. Aos 20 minutos, Zé Alcino conseguiu cabecear à frente do Jean, na pequena área. Mas o goleiro defendeu no susto. Aí o Bahia acordou. A torcida, enraivecida pela má campanha do time — embolado entre os ameaçados de rebaixamento —, gritou para os jogadores e pediu futebol. Sabendo disso, Luiz Felipe tratou de acalmar os ânimos e aderir à malemolência e ao gingado baiano. Colocou Emerson mais próximo a João Antônio e a Dinho e deixou o tempo correr. Principalmente depois que Carlos Miguel fez 1 a 0, de falta, aos 26 minutos. O meia viu a falha na barreira e conseguiu colocar a bola ali mesmo. Os baianos sentiram que era melhor providenciar a ajuda de todos os santos para o seu próprio time. Em desvantagem, o técnico Fito Neves mandou a equipe atacar. Luiz Felipe saiu correndo do reservado e corrigiu o posicionamento de João Antônio, deu duas a três instruções e tudo voltou como antes. Com toque e mais toque. 


No segundo tempo, aos minutos, Zé Alcino deixou  o campo por causa de lesão. Luiz Felipe surpreendeu colocando Arce em seu lugar. Em seguida, Charles, que havia entrado em lugar de Claudinho, empatou. O Grêmio segurou o ímpeto do adversário. Até que Arce, como se estivesse cobrando uma falta, colocou a bola no ângulo de Jean num chute em curva, de fora da área.” (JONES LOPES DA SILVA  - Enviado Especial/Salvador, Zero Hora, segunda-feira, 21 de outubro de 1996)


zzz


"O gol de Arce, que havia substituído Zé Alcino, ocorreu aos 48 minutos do segundo tempo. "Um santo baiano olhou para nós", comentou o treinador Luiz Felipe, admitindo que o time não jogou bem e que o empate seria mais justo. No primeiro tempo, o Grêmio foi melhor, dominando o Bahia. Aos 26 minutos, Carlos Miguel fez 1 a 0, cobrando falta e acertando o canto direito de Jean. No segundo tempo, o Bahia melhorou e pressionou, até que aos 22  minutos, Charles desviou de cabeça e empatou. Recuado, o Grêmio resistiu e até festejava o empate, quando Arce marcou o gol da 3ª vitória consecutiva do time de Felipão" (Correio do Povosegunda-feira, 21 de outubro de 1996)


O JOGO: O Bahia fez sua melhor partida na competição, mas foi surpreendido no final e deixou a Fonte Nova com mais uma derrota.



Bahia 1 x 2 Grêmio

BAHIA: Jean; Givaldo, Parreira, Vladimir e Daniel; Leandro Silva, Hermes, Bobô e Darci (Juninho); Naldinho (Edmundo) e Claudinho (Charles)
Técnico: Fito Neves

GRÊMIO: Danrlei; Marco Antônio, Rivarola, Mauro Galvão e Roger (André Silva); Dinho, João Antônio, Émerson (Aílton) e Carlos Miguel; Paulo Nunes e Zé Alcino (Arce)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

16ª Rodada - 1ª Fase
Data: 20 de outubro de 1996, domingo
Local: Estádio Fonte Nova, em Salvador
Público: 13.657 (11.809 pagantes)
Renda: R$ 99.655,00
Árbitro: Luciano Augusto de Almeida (DF)
Auxiliares: Jorge Gomes e Rogério Oliveira
Cartões Amarelos: Daniel, Vladimir e Charles (B); André Silva, Dinho, Marco Antônio, Mauro Galvão e João Antônio (G)
Gols: Carlos Miguel (G), 24 minutos (1º tempo); Charles (B), 21 minutos; Arce (G), 47 minutos (2° tempo).

Nenhum comentário: